Guia Zema Petróleo: 10 lugares para visitar em Minas Gerais – Parte 2

A Zema Petróleo estreou 2018 com um guia de viagem que vai passar pelos sete Estados do país que contam com os combustíveis Zema. As dicas são do...

631 0
631 0

A Zema Petróleo estreou 2018 com um guia de viagem que vai passar pelos sete Estados do país que contam com os combustíveis Zema.

As dicas são do instrutor de off-road Fernando Carqueijo, que tem quase 30 anos de estrada em expedições por todo o mundo e é proprietário da Trailway, uma empresa especializada em passeios e viagens para veículos 4X4.

Durante 2018 nosso guia promete passar pelos Estados de Goiás, Pará, Tocantins, São Paulo, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Na matéria de hoje, fechamos a segunda parte do Tour pelo Estado de Minas, mostrando mais 5 belíssimos lugares para você visitar.

Prontos? Então apertem os cintos e vamos começar a nossa viagem!

(Clique aqui e confira o Guia Zema Petróleo Minas Gerais – Parte 1)

6 – Monte Verde e Gonçalves

Monte Verde é um destino romântico, mas cheio de opções para ir com a família (Foto: Divulgação/monteverde.org)
Monte Verde é um destino romântico, mas cheio de opções para ir com a família (Foto: Divulgação/monteverde.org)

As duas são destinos de inverno muito procuradas pelo público de São Paulo, devido à proximidade com a capital paulista. Monte Verde é distrito de Camanducaia, às margens da Rodovia Fernão Dias. Gonçalves é vizinha de São Bento do Sapucaí. As duas fazem divisa com o Estado de São Paulo e estão incrustadas na Serra da Mantiqueira.

Embora sejam também destinos românticos, outros passeios e atividades podem fazer delas boas opções para um estadia mais prolongada.

Em Monte Verde, o ponto alto são as caminhadas pelas Pedras no Alto da Serra, entre a Pedra Redonda, Pico do Selado e Chapéu do Bispo, todas na faixa de 2.000m de altitude sobre o nível do mar.

Em Gonçalves as cachoeiras fazem parte das principais atrações, tais como a do Simão, do Retiro, das Andorinhas e do Zé Henrique. Ainda em Gonçalves é possível fazer a caminhada até pedras de grande altitude, como a do Forno e a do Jair.

Alerta: A distância entre as duas cidades é de aproximadamente 40 km, possuindo mais de uma opção de “ligação”.  Consulte o estado das estradas de terra antes de decidir o melhor caminho.

Estendendo a viagem:

Nas proximidades de Monte Verde, as cidades de Extrema e Joanópolis permitem ótimos passeios, incluindo a maior cachoeira do Estado de São Paulo (nessa região está a dívida de estados), a Cachoeira dos Pretos com 154 metros de altura.

Em Gonçalves, a proximidade com São Bento do Sapucaí (SP) e Sapucaí Mirim (MG) permite ótimos passeios de montanha, incluindo a visitação da Pedra do Baú.

Onde ficar:

Monte Verde é dotado de inúmeras e variadas opções de hospedagem. Uma boa pesquisa vai permitir encontrar a melhor opção para você. Mais próximos da vila os destaques são as Kuriuwa, Provence Cottage (que também tem um ótimo restaurante) e a Estalagem Wiesbaden. Um pouco mais afastados, o Hotel Itapuá e a Pousada Nico on the Hill são bem conhecidas.

Em Gonçalves, a Pousada das Araucárias e seus chalés às margens do riacho e cachoeira que ficam dentro da propriedade são o grande destaque, além de possuir um ótimo restaurante. Uma opção um pouco mais afastada é a Pousada Vida Verde ou a Pousada Montanhês.

Onde Comer:

Em Monte Verde o Bistro da Pousada Provence Cottage pratica alta gastronomia com muito charme e ótimo atendimento. Na cidade, o Restaurante Pucci é uma ótima opção.

Em Gonçalves o destaque é o Restaurante Le Bistrot, que faz alta gastronomia num pequeno restaurante de frente com a Cachoeira do Simão. Além dele, na cidade pode-se conhecer o Janelas com Tramelas e outras opções. Na Zona Rural, os destaques são o Restaurante do Zé Ovídeo, da Pedra do Jair e o Três Irmãs que são opções simples, mas sempre muito saborosas

7 – Carrancas

Passagem obrigatória em Carrancas é o Complexo da Zilda, composta por diversas cachoeiras. (Foto: Divulgação/ carrancas.com)
Passagem obrigatória em Carrancas é o Complexo da Zilda, composta por diversas cachoeiras. (Foto: Divulgação/ carrancas.com)

Cidadezinha com cara de vilarejo, lindas e inúmeras cachoeiras, uma serra que emoldura a cidade e permite boas opões de passeio. Ela está encravada nas proximidades de Lavras e entre São João del Rei e Três Corações.

Não deixe de conferir o Complexo da Zilda, composta por diversas cachoeiras que fazem a diversão dos visitantes.

Estendendo a viagem :

Uma parte da Serra de Carrancas foi cenário para a novela Império, onde o personagem “Imperador”, interpretado por Alexandre Nero, visitava o Monte Roraima, devido a semelhança entre as duas serras. Por causa da proximidade com Tiradentes e São João del Rei (apenas 90 km), pode fazer parte de um mesmo roteiro.

Caquende, Capela do Saco, Estação Carrancas e Luminárias são locais próximos de Carrancas e que possuem ótimas opções de passeios.

No entorno da cidade passa a Estrada Real e vale a pena conhecer um pouco dos caminhos e da história desse patrimônio histórico.

Alerta: Se o foco forem as inúmeras cachoeiras da região, evite a época das chuvas (de dezembro a março).

Onde ficar:

Na cidade apenas opções simples estão disponíveis e são várias. Pesquise antes de ir. Uma boa opção é a Pousada Luz do Sol, na entrada da cidade.

Onde comer:

Carrancas possui apenas pequenos estabelecimentos bem simples, mas onde se pode experimentar boa comida. Uma ótima opção é o Recanto Bar.

 8- Aiuruoca

Aiuruoca é muito conhecida no circuito do Ecoturismo e por ser a terra natal da atriz Isís Valverde (Foto: Marlon M. Arantes/ Prefeitura de Aiuruoca)
Aiuruoca é muito conhecida no circuito do Ecoturismo e por ser a terra natal da atriz Isís Valverde (Foto: Marlon M. Arantes/ Prefeitura de Aiuruoca)

Uma cidade bem pequena e pacata, que fica aos pés da suntuosa Serra do Papagaio com seus mais de 2.000m de altitude do nível do mar.

Aiuruoca é conhecida apenas no circuito do Ecoturismo e, mais recentemente, por ser a terra natal da atriz Isís Valverde que sempre que pode fala de suas origens e exalta suas inúmeras belezas.

Não perca uma vista à Serra do Papagaio e Cachoeira dos Garcia, localizada na subida da Serra. O Vale do Matutu abriga pousadas e o Patrimônio do Matuto, lugar onde a natureza é muitíssimo preservada e cultuada.

Estendendo a viagem:

Baependi, com o Santuário Nhá Chica, e São Lourenço e Caxambú com seus Parques de Águas são boas opções para montar um roteiro na região. Outra opção é a ligação entre Alagoa e Itamonte para um passeio mais rural.

Alerta: Evite a época das chuvas, de março a dezembro, quando os acessos são mais complicados e as águas mais turvas

Onde ficar:

São duas áreas distintas que você deve optar para se hospedar: ou nas proximidades da cidade (Pousada Pico do Papagaio e Recanto das Flores são boas opções) ou no caminho do Vale do Matutu (a Pousada Pé da Mata é uma delas).

Onde comer:

Nas proximidades da cidade uma opção é o Restaurante Kiko e Kika, na saída para Alagoa. Na Serra, uma boa opção é o restaurante que fica junto a Cachoeira do Garcia, de onde se tem uma bela vista da cachoeira e é possível comer uma bela truta.

9 – Brumadinho e Inhotim

Brumadinho já tinha ao seu lado a Serra do Rola Moça e o Parque Estadual de mesmo nome. Com a criação do Instituto Inhotim virou visitação “obrigatória” em Minas Gerais, inclusive por sua proximidade com Belo Horizonte (apenas 70km).

O Instituto Inhotim é, simplesmente, o maior centro de arte contemporânea a céu aberto do mundo. Visita imperdível e que encanta e surpreende a todos que recebe. Sempre confirme os horários e dias de funcionamento do Instituto Inhotim.

Estendendo a viagem:

A Serra do Rola Moça e os caminhos que serpenteiam a serra rendem ótimas paisagens e são um ótimo passeio. Não deixe de conhecer o Mirante Topo do Mundo.

Alerta: Qualquer época do ano rende um bom passeio, apenas verifique se a previsão do tempo indica chuvas demoradas ou fortes na região, que podem atrapalhar seu dia por lá.

Onde ficar:

O Hotel Estrada Real é ótima opção nas proximidades do Instituto Inhotim e com fácil acesso. Uma opção mais distante, mas charmosa e com lindo visual é a Estalagem do Mirante que fica na serra e próximo do Mirante e Restaurante Topo do Mundo.

Onde Comer:

No interior do complexo do Inhotim existem boas opções de restaurantes e lanchonetes. Nas imediações, ao visitar o Mirante do Topo do Mundo pense em almoçar por lá.

10 – Serra do Cipó e Conceição do Mato Dentro

A cidadezinha dá nome ao Parque Nacional. O passeio é todo feito através de caminhada (Foto: Divulgação/ serradocipo.com)
A cidadezinha dá nome ao Parque Nacional. O passeio é todo feito através de caminhada (Foto: Divulgação/ serradocipo.com)

A cidadezinha dá nome ao Parque Nacional que foi criado para preservar a serra, fauna e flora. O passeio pelo parque é todo feito através de caminhada e reserva uma grande quantidade de cachoeiras e paisagens.

A vizinha Conceição do Mato Dentro, margeada pela Serra do Intendente é guardiã da terceira maior cachoeira do Brasil.

Passagem obrigatória no Parque Nacional da Serra do Cipó, com suas diversas cachoeiras (pesquise antes de ir, pois existem várias e o tempo de caminhada e dificuldade do trajeto variam bastante) e a Cachoeira do Tabuleiro, que é a terceira maior queda d’água do Brasil com seus 273m de altura, em Conceição do Mato.

No caminho entre Serra do Cipó e Conceição do Mato Dentro, existe a Estátua do Juquinha, que é uma homenagem a um andarilho da região que conquistava moradores e turistas com sua simpatia e seu modo singelo de viver. Virou lenda e ganhou essa homenagem após sua morte, em 1987. Vale a pena se informar na região para conhecer a história de Juquinha.

Estendendo a viagem:

Na região do caminho entre Belo Horizonte e a região de Serra do Cipó, existem três grutas que são interessantes de se conhecer. A Gruta do Maquiné, em Cordisburgo, a Gruta da Lapinha em Lagoa Santa e Gruta do Rei do Mato, em Sete Lagoas. No entorno da região passa a Estrada Real.

Alerta: Evite a época de chuvas (de dezembro a março), quando as cachoeiras ficam com águas mais turvas e as caminhadas ficam mais complicadas.

Onde ficar:

Em Serra do Cipó existe uma imensa quantidade de pousadas e opções de hospedagem. A Pousada Fazenda Monjolos é uma boa opção nas proximidades da entrada do Parque Nacional.

Em Conceição do Mato Dentro existem pequenas pousadas, sempre simples. Uma opção é a Pousada Serra Velha.

Onde comer:

Nas proximidades do Parque Nacional, uma boa opção é o Restaurante Parador Nacional.

Em Conceição do Mato Dentro, uma boa opção para restaurante é o que fica dentro da Pousada Serra Velha.

In this article

Deixe um comentário